Enviando sua mensagem...

Arquivo anexado

Economia

Dia Nacional do Milho

Compartilhe:

Um panorama desse mercado no Rio Grande do Sul

Hoje é Dia Nacional do Milho. A data, sancionada na lei Nº 13.101, foi criada com o objetivo de estimular o cultivo e consumo de um dos cereais mais nutritivos do mundo: o milho. E para celebrá-la, trouxemos uma série de informações que provam que este alimento possui um papel fundamental na sociedade.


O milho é considerado a segunda cultura com maior representatividade dentro da agricultura, ficando atrás apenas da soja. No Rio Grande do Sul, o grão é amplamente produzido em diversas regiões, devido à cultura histórica de produção pecuária da região, tornando este cereal um componente estratégico em diversas cadeias produtivas no Estado. 


No mercado externo o Brasil é um dos principais players, posicionando-se apenas atrás dos Estados Unidos quando o assunto é a exportação do cereal. Os principais fatores que influenciam a paridade de exportação brasileira são: despesas portuárias, câmbio, frete, impostos (e outras taxas), comissões além da cotação do milho na Bolsa de Chicago (CBOT). Segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), só no ano de 2019 o Brasil chegou a exportar 44,9 milhões de toneladas de milho, batendo um novo recorde de vendas, representando um aumento anual de 88% em relação ao ano anterior. 


Milho em 2020 no Brasil

Em 2019, dois fatores colaboraram para o sucesso da exportação de milho no Brasil: o câmbio favorável e a safra menor nos Estados Unidos. Atualmente o contexto é diferente. Depois de sofrer uma desvalorização de 10,56% no preço em abril devido o aumento na disponibilidade do grão e a forte retração da demanda interna. Para 2020, a expectativa é de que o Brasil exporte cerca de 31 milhões de toneladas no segundo semestre.


Além da atual pandemia o excedente de oferta de milho nos Estados Unidos é aspecto que tem deixado os exportadores atentos, segundo o presidente da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), Sérgio Mendes. Para a Anec, ainda é difícil mensurar as complicações que isso pode trazer para o mercado brasileiro


De acordo com Secretaria de Comércio Exterior (Secex), até o momento as exportações de milho do Brasil seguem em ritmo mais lento do que o observado em 2019. “Neste momento, a logística brasileira está voltada para as exportações da soja”, afirmou recentemente o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting. E completou: “Acreditamos que ainda vamos exportar muito milho, mas abaixo dos últimos dois anos. Já temos muitos contratos programados para agosto em diante”.


Mercado do milho no Rio Grande do Sul

Em meados de maio, a colheita da safra de grãos de verão se aproxima do fim com índices menores do que o esperado. Nas lavouras de milho, a preocupação estava voltada principalmente para a estiagem prolongada que a região sul estava passando. Com o retorno das precipitações, a situação da cultura em algumas regiões pode ser amenizada. Na região de Santa Rosa, houve uma produtividade de 7.080 quilos por hectare, 11% a menos das expectativas para a época. Em Frederico Westphalen, a colheita apresentou uma média de 6.840 quilos por hectare, 21% menor que o esperado inicialmente. Já em Pelotas, a colheita do milho silagem foi realizada em 89% da área, no entanto a silagem é de qualidade inferior e com rendimentos bastante baixos.


Algumas entidades estimam, até o final da colheita, a projeção de um total de 28,72 milhões de toneladas de grãos, 13% a menos do planejado em agosto do ano passado. Essa será, provavelmente, a menor safra desde 2016.


No entanto, apesar da baixa ocasionada pelas adversidades climáticas que prejudicaram as lavouras gaúchas, essa pode ser considerada a quinta melhor safra do Estado, em virtude do incremento acentuado no rendimento de produção dos últimos anos.


Ainda, é importante enfatizar que tais estimativas podem sofrer alterações a qualquer momento, visto o baixo percentual de área colhida de algumas culturas, além das futuras ocorrências meteorológicas que possam interferir de forma expressiva nas projeções feitas.


Agrofel

Há mais de 42 anos no Rio Grande do Sul ao lado do agricultor do plantio a colheita com soluções integradas para a busca de altas produtividades.

Atendimento

Central de Atendimento

Fone: 55 51 3326-5000
Atendimento de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.
Matriz: Avenida Bagé, 1430 | Bairro Petrópolis | Porto Alegre | RS | CEP: 90460-080

Associados

Canais de Denúncias